PORQUE NÓIS NUM TÁ AQUI PRA SER LEGAL

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Luta de classes, luta de raças

No Brasil, a Luta de Classes, isto é, a luta “entre as classes”, é confusa e, por vezes, difícil de se identificar – dado que, a um primeiro olhar, aparenta ser travada entre uma classe mé(r)dia “opressora” e os pobres “oprimidos”.
Porém, a verdade é que a classe média é parte da classe trabalhadora também e é por isso que não é ela nosso inimigo de fato. A  verdadeira relação entre opressores e oprimidos, se dá entre capitalistas e trabalhadores – por meio da extração do lucro, ou mais valia.
Daí pra frente tudo o que se segue desdobra-se em ferramentas para que o trabalhador e a trabalhadora não perceba e não se incomode com tamanha espoliação, com a retirada de imenso lucro a partir da exploração de seu trabalho  (isso que, parafraseando um amigo nosso, os intelectuais chamam de mais-valia, mas o popular chama de roubo, assalto, safadeza mesmo).  Tais ferramentas vão de programas de TV, à legislação do país, chegando  até mesmo às vias de fato da violência física.
Já para a classe média são usadas como ferramentas de controle os seus salários “médios” e o status da posição que exercem como trabalhadores e trabalhadoras intelectuais, em detrimento do trabalhador braçal.  Isso  lhes dá a ilusão de que não são trabalhadores ipsis literis, uma vez que o conceito de trabalho está fortemente ligado a trabalho braçal. Dessa forma, sendo uma classe de gerentes e administradores não comporiam a massa de trabalhadores e trabalhadoras do país, sendo essa massa composta por aqueles que executam os trabalhos idealizados pela elite e gerenciados pela classe média. Sendo a classe média os “gerenciadores” dos ganhos da elite, muitas vezes, quando falamos em classe trabalhadora estamos nos referindo apenas à população pobre.
    Dito isto, é preciso que olhemos para a massa a fim de perceber quais as características que marcam profundamente tais pessoas. Se olharmos com  olhos  críticos perceberemos que não há nenhuma característica estética que marque tanto os pobres como a NEGRITUDE, pois nas periferias de todo o país, talvez com exceção para os três estados do Sul, em 90% dos casos ou as pessoas são pretas ou têm algum parente que o é, sendo os traços negróides o fenótipo mais comum nas periferias.

    Por isso se quando falamos em classe trabalhadora estamos falando de uma massa de pessoas pobres, quando falamos em pobres estamos falando de uma massa de pessoas negras. Mas apesar de, por isso, a Luta de Classes ser confundida com a Luta de Raças, uma vez que no grosso da elite não há negros, o que há de fato é Luta de Classes de não de Raças. Uma Luta de Classes se utiliza do racismo como ferramenta principal para a acumulação e dominação, ou seja para a opressão da classe trabalhadora. Por isso seja você branco, amarelo ou vermelho, se é pela libertação da classe trabalhadora tem que ser contra o racismo. É claro que tem que ser também contra a homofobia o machismo a gordofobia. Porém deve levar em conta que o fato de ser negr@a agudiza a situação dos grupos citados acima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário