PORQUE NÓIS NUM TÁ AQUI PRA SER LEGAL

domingo, 4 de junho de 2017

O poema sensacional e o sensacionalista




A wikipédia define Sensacionalismo como um tipo de viés editorial em que os eventos e temas são exagerados para aumentar os números de audiência ou de leitores. Segundo a enciclopédia, alguns sensacionalistas usam a tática da emoção, sendo barulhentos e autocentrados, com o objetivo de obter atenção.
Já “Sensacional”, por sua vez, é definido pelo dicionário online como algo extraordinário, que não é comum, é espetacular ou maravilhoso. Na teoria. Por extensão, podemos então considerar que o sensacional é talvez o oposto do sensacionalista: solidário, por vezes silencioso e solitário.
Na prática, há uma linha tênue entre um e outro. É como a velha confusão entre Ética e Éter. Embora ambos comecem com o ETÊ, não se pode afirmar que sejam ambos os termos alienígenas de um mesmo ponto no universo, ou conterrâneos da cidade de Varginha.
Entretanto, o que atrai no sensacionalista é parente do éter: apela para as emoções, tira as possibilidades de defesa racional e coloca o coração na frente do cérebro, mesmo que ambos estejam imersos num mar de enganos. O éter do poema sensacionalista desvia nossa atenção para o micro e veda nossa compreensão do macro. Ao final, aplaudimos a performance e pouco importa se o potencial de mudança é destruído na catarse, nos aplausos, na sensação de dever cumprido.
O poema sensacional, por seu turno, fala baixo, cadência capenga e exige foco de quem o ouve. Ele aposta  na cadência baixa do coração em silêncio, fala pausado e sem grandes variações de tom e volume. O poema sensacional se apoia em pessoas verdadeiramente engajadas e sensíveis - que como eternos Cristos, diariamente nos montes das quarentenas, precisam repetir sonoros nãos. Como disse o Ferréz, pessoas que não compraram os planos de negócio burgueses.
O poema sensacional coloca ainda uma pulga, um incômodo debaixo da pele que vai minando as certezas e abrindo espaços para rumos revolucionários.
Tenhamos cuidado.
O lobo veste pele de cordeiro, para devorar otári@s.

Nenhum comentário:

Postar um comentário