PORQUE NÓIS NUM TÁ AQUI PRA SER LEGAL

domingo, 9 de março de 2014

Alma do negócio



Engajado desde o berço
não esqueço de onde eu vim.
Minha rima não tem preço
tem começo, meio e fim”
Clã Nordestino


Poesia não é flor que se cheire.
E por isso os jornais a evitam
e publicam o inverso:
eterno tédio
dos assassinos em série,
genocídio, infanticídio
e outras patifarias com e sem código
de barras.

Poesia não é flor que se preze.
E por isso os jornais a evitam.
Em seu lugar publicam meninas
abraçadas aos seus bichinhos
de pelúcia.

Poesia não é flor que se regue.
E por isso os jornais a evitam.
Na secura de suas folhas
nenhuma gota de lirismo
pinga.

Poesia não é flor que se encontre
na rua.
E por isso os jornais a evitam.
Ainda que no asfalto outras breves
se insinuem.

O poema se nutre de espanto.
(não se vende espanto em caixinhas)
Por isso, no auge do canto
quando o poema emerge do manto
de surdez e indiferença
que o protegia,
aí então ele ganha
seu lugar ao sol.
(mas ganha uma caixa minúscula)
O vetor da obra ganha
o poeta
perde a poesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário